Notícia

Projeto coleta cerca de 16 toneladas de alumínio e plásticos gerados durante o São João da Bahia

Projeto coleta cerca de 16 toneladas de alumínio e plásticos gerados durante o São João da Bahia

Entre shows de muito forró, xote e baião, 920 catadores e catadoras de recicláveis, apoiados pelo Governo do Estado, recolheram entre os dias 13 de junho a 2 de julho cerca de 16 toneladas de alumínio e plásticos descartados durante as principais festas do São João da Bahia, realizadas em Salvador (Parque de Exposições, Pelourinho e Paripe) e em três municípios do interior (Itabuna, Juazeiro e Porto Seguro). O Arraiá Sustentável  levou sustentabilidade ambiental e melhores condições de trabalho e renda para pais e mães de família que atuaram nas centrais de coleta seletiva instaladas nas principais praças dos festejos juninos. O Governo investiu mais de R$ 1,2 milhão no projeto “O Trabalho Decente Preserva o Meio Ambiente”.

Para o secretário da Sema, Eduardo Mendonça Sodré Martins, os resultados alcançados, em 2024, reafirmam a importância do trabalho e a parceria entre o Governo da Bahia, as cooperativas e os catadores de materiais recicláveis. “Os números desta edição superaram todas as expectativas e isso se deve à dedicação e organização do trabalho prestado por cada catador e pelas cooperativas. Este é um projeto que já está transformando a realidade das principais festas populares do estado, sendo baseado nos pilares da sustentabilidade, com inclusão social e proteção ao meio ambiente”.

De acordo com o parceiro do projeto e coordenador executivo da ONG Cama, Joilson Santana, neste terceiro ano do projeto, atuando nos festejos juninos, foi possível notar melhorias consideráveis nas estruturas das centrais e na consolidação das redes de cooperativas. “Estamos aqui fazendo um projeto que consegue conectar os catadores e as catadoras de recicláveis com a indústria e mais do que isso, evidencia e valoriza o trabalho destes profissionais junto à população, presenciamos neste São João que muitas pessoas já entendem a importância e o papel dos catadores, separando as latinhas e entregando diretamente a eles, facilitando as atividades. O principal aspecto da ação é fortalecer a economia circular inclusiva, garantindo a destinação adequada dos resíduos sólidos para a cadeia produtiva da reciclagem”, explicou Santana.

Uma vida dedicada à coleta de recicláveis, de superação às adversidades e cuidado ao meio ambiente, essa é a história de Dona Maria Gorete, 62, recicladora há mais de 20 anos e que fala com orgulho do ofício que exerce. “Foi com este trabalho que criei minha família e quando chegam as festas temos uma oportunidade de complementar a renda, ganhar um extra. Estamos entusiasmados com o apoio do projeto que trouxe mais dignidade para nossa atividade, recebemos fardamento, luvas, bota e equipamentos, um espaço para triagem e pesagem dos materiais coletados, área para descanso, banheiros, coisas que não tínhamos antes, além de um melhor pagamento”, relatou.

O projeto “Arraiá Sustentável e Solidário ” contribuiu para mitigação de emissão de CO², de recursos naturais e minerais. Os dados apresentados foram analisados através de eco indicadores da ONG CAMA e revelam significativas economias: 51 toneladas de dióxido de carbono deixaram de ser emitida para o meio ambiente, 203 mil litros de água, 80 metros cúbicos de espaço em aterros sanitários, 492 mil kWh de energia, 10 árvores e 5 mil litros de petróleo.

A bióloga da Diretoria de Política e Planejamento Ambiental (Dipa) da Sema, Ana Paula Alves, destacou que esta ação está inserida nas iniciativas de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), geridas pela secretaria. “São projetos que buscam promover a inclusão socioprodutiva dos catadores, apoiando esse trabalho das cooperativas, através do PSA, porque além da coleta, da separação e destinação adequada, eles atuam como agentes ambientais. São resíduos que deixam de ir para os aterros e entram na cadeia da reciclagem, além de diminuir a retirada de matéria-prima do meio ambiente e promover a educação ambiental”, explicou.

Foram distribuídas nas Vilas, montadas nos locais das festas, os catadores receberam uma mochila contendo uma calça, uma blusa, um par de luvas, um par de botas e uma capa de chuva. Um grupo de costureiras da capital baiana e de cidades do interior também recebeu o apoio do projeto. Elas foram as responsáveis em produzir o fardamento (camisa e calça) e mochilas sustentáveis que os catadores (as) utilizaram no período.

O coordenador da Superintendência de Inovação e Desenvolvimento Ambiental (Sida) da Sema, Diego Cerqueira, que esteve presente dando suporte na Vila Junina do Parque de Exposições, destacou a melhor organização a cada ano. “Alcançamos uma evolução significativa seja na distribuição de equipamentos de proteção individual, na estrutura para armazenamento e de apoio aos profissionais, seja nos melhores preços para comercialização dos recicláveis”.

Nestes espaços também era possível comercializar todo o material coletado com valores superiores ao praticado no mercado, estratégia que evita a ação de atravessadores, garantindo um preço justo para os trabalhadores.

Indústria da Reciclagem
Todo o material coletado terá como destinação a indústria da reciclagem, explica Luiz Hermida, representante da Carbongreen, empresa de reciclagem de plástico que é parceira do projeto. “Parabenizar a todos os envolvidos no projeto que incentiva a participação maior dos catadores e o número maior de materiais recicláveis recolhidos. Esse trabalho que as cooperativas vêm fazendo junto com o Governo do Estado, com participação da indústria é um verdadeiro projeto de inovação social que assegura também a sustentabilidade de todo o processo de consumo”.

A iniciativa conta com a participação de 12 cooperativas, são elas a Coocreja, Cooperbari, Cooperguary, Caec, Canore, Camapet, Crun, Cooperes, Canarecicla, Cooperbrava, Cooperlix, Coleta Cidadã, além da ONG CAMA, que integram o Fórum Estadual Lixo e Cidadania da Bahia. A ação também tem o apoio dos ministérios públicos da Bahia (MPBA), do Trabalho (MPT-BA), Limpurb e Voluntárias Sociais da Bahia.

Dica

Planos de saúde: uma preocupação para o futuro

Planos de saúde: uma preocupação para o futuro

Ter ou não ter plano de saúde? Esse é um questionamento que pode ser constante na vida dos brasileiros, já que nem sempre os benefícios oferecidos são efetivamente ofertados quando mais se precisa desse tipo de assistência. Para não cair em armadilha e saber diferenciar os tipos de planos, consultamos o advogado especialista em Defesa do Consumidor, Taciano Mattos (@tacianomattos), para dar algumas dicas sobre o serviço. Confira abaixo:

Artigo

Taxas bancárias e o Direito do Consumidor

Taxas bancárias e o Direito do Consumidor

Você certamente possui conta em alguma agência bancária. Certamente, também, já deve ter sido tarifado indevidamente, mesmo pensando que o serviço oferecido era gratuito, a exemplo das taxas cobradas pela poupança. Mas, não era para poupar? Pois bem, nem sempre o que está previsto nos contratos atendem às regras previstas pelo Código de Defesa do Consumidor. O advogado, especialista na área, Cândido Sá, dá suas recomendações sobre o que a lei salvaguarda ou não, quando o assunto é serviço bancário. Confira artigo sobre o assunto, logo abaixo:

Enquete

Você pretende tomar a vacina contra a covid-19?


Ver resultado

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.