Notícia

Restaurantes populares reabrem com refeições gratuitas

Restaurantes populares reabrem com refeições gratuitas

Os restaurantes populares administrados pela Prefeitura, que haviam sido fechados para atividades presenciais em março devido à pandemia do novo coronavírus, foram reabertos ontem (05). As unidades de São Tomé de Paripe e Pau da Lima passam a funcionar de segunda a sexta-feira, das 11h às 14h. Enquanto durar a situação de emergência em Salvador, o almoço é gratuito (em períodos de normalidade, o prato custa R$1). Em cada unidade, serão ofertadas cerca de 350 refeições diariamente.

Desde o início da pandemia, os restaurantes funcionaram como pontos de distribuição de marmitas, sem consumo no local. Para a reabertura com segurança, a Prefeitura elaborou um protocolo, por meio da Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), responsável pelos equipamentos.

O protocolo prevê, por exemplo, a medição de temperatura dos funcionários e assistidos, e aqueles com resultado igual ou superior a 37,5°C devem ser direcionados para acompanhamento de saúde adequado. Pessoas que fazem parte do grupo de risco precisam ter atendimento prioritário, para reduzir o tempo de permanência nas filas.

Foi estabelecido ainda um controle de acesso para assegurar a observância da capacidade máxima de assistidos simultâneos no interior dos restaurantes (100). Esse controle acontece mantendo pessoas aguardando do lado de fora, acomodadas e protegidas do sol ou da chuva (com o uso de toldo e cadeiras), que têm acesso ao interior quando outras saem do espaço do almoço, que é sempre higienizado após o término de cada refeição.

Eventuais filas que se formarem, inclusive para acesso ao restaurante, devem ser ordenadas para garantir o distanciamento mínimo de 1,5m e o uso obrigatório de máscaras tanto do lado de fora quanto de dentro (só é permitido retirar o item no momento de consumir o alimento). As catracas, borboletas ou similares ficam desativadas permitindo o acesso sem restrição física.

Apenas duas ou quatro pessoas podem sentar por mesa (a depender do tamanho). E, mesmo assim, esses usuários ficam isolados por meio de barreiras. Já a distância entre mesas diferentes é de 2m. Foram instaladas barreiras físicas em frente aos balcões de entrega de refeição. Os assistidos devem permanecer a uma distância mínima de 1m em relação ao balcão de entrega dos alimentos. Os talheres fornecidos aos assistidos são descartáveis.

EPIs - O protocolo determina também que os funcionários dos restaurantes devem preparar os pratos sempre utilizando os equipamentos de segurança necessários, como máscara, face shield, avental, toucas e luvas descartáveis. Durante o atendimento aos assistidos, os funcionários e terceirizados não devem usar adornos como pulseiras, brincos, relógios e anéis, além de manter as unhas aparadas.

Objetos de uso pessoal como talheres, copos, pratos, garrafas e objetos de trabalho não devem ser compartilhados. Além disso, os assistidos são orientados a guardarem suas máscaras durante as refeições em papel toalha ou guardanapos de papel, fornecidos pelos restaurantes, e a higienizar as mãos com álcool 70% frequentemente.

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue