Notícia

Facebook veiculará programas jornalísticos em serviço de vídeo

Facebook veiculará programas jornalísticos em serviço de vídeo

O Facebook anunciou nesta semana que vai passar a veicular programas jornalísticos de algumas emissoras no seu serviço de vídeo chamado Watch (assista, em inglês). Os noticiários serão produzidos exclusivamente para o Facebook por emissoras importantes nos Estados Unidos, como ABC, CNN e Univision.

O serviço de vídeos foi lançado em outubro de 2017 como uma estratégia da empresa de entrar no mercado de vídeo online, já que o principal concorrente da plataforma, a Google, é líder neste segmento com o YouTube. O foco é a veiculação de séries e outros programas na forma de capítulos. O serviço ainda não está disponível no Brasil.

Vão ser disponibilizados no canal de vídeos os programas Anderson Cooper Full Circle, da CNN, Fox News Update, da Fox, On Location, da ABC, e uma revista audiovisual voltada ao público hispânico. Os conteúdos serão exclusivos e direcionados para a audiência da plataforma.

Diretores do Facebook disseram em entrevistas a veículos especializados que a iniciativa é uma forma de promover conteúdos de qualidade e de referência para os usuários, uma forma também de responder às críticas sobre o papel da plataforma na divulgação das chamadas notícias falsas (fake news).

O anúncio é um marco importante. Até agora, a despeito das diversas funcionalidades que oferece, o Facebook é uma rede social que serve de espaço para a circulação de textos, imagens e vídeos de terceiros. Com essa iniciativa, mesmo que ainda em parceria, passa a ser promotora de conteúdos próprios, tornando-se também uma empresa de mídia.

Na avaliação do pesquisador do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Ciências da Informação da Universidade Federal do Rio de Janeiro João Carlos Caribé, a iniciativa dará mais poder à plataforma, que já tem mais de 2 bilhões de usuários, e pode ter efeitos importantes sobre o debate público.

“O Facebook faz um movimento de trazer para dentro de si cada vez mais tipos de serviços, agora a produção noticiosa. Como a companhia tem acesso a dados dos usuários, isso pode ser usado para a elaboração de notícias e personalizar os conteúdos, o que pode estimular as chamadas bolhas ideológicas”, disse.

 

 

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Chuveiro na posição "inverno" consome 30% mais. Banhos mais curtos ajudam a economizar até 40%. Geladeira em má condição consome até 70% da conta do mês. Em casa ou no escritório, tire os aparelhos eletrônicos da tomada quando estão fora de uso, principalmente televisão, aparelhos de DVD/Blue-Ray e de som.