Notícia

Aplicativo de pesquisa de preços é arma contra alta do arroz, diz Procon

Aplicativo de pesquisa de preços é arma contra alta do arroz, diz Procon

O aplicativo de pesquisa de preços disponível para celulares Android e iOS, o Preço da Hora Bahia, está sendo apontado pelo Procon-Ba como uma alternativa eficaz para os consumidores diante da alta de alimentos que tem o arroz como o destaque do noticiário, mas atinge também itens como feijão, óleo de soja, carne e pão. O órgão estadual de defesa do consumidor está atuando para identificar e punir abusos, mas aponta a boa e velha pesquisa como uma arma eficaz para promover a regulação do mercado, e indica o app que encontra em segundos as melhores ofertas para qualquer produto vendido no varejo em todos os municípios baianos, com base nas informações geradas pelas 3,2 milhões de notas fiscais eletrônicas emitidas diariamente na Bahia e armazenadas pela Secretaria da Fazenda do Estado (SefazBa).

 

"Em períodos de preços altos, usar a pesquisa de preços é sempre um bom caminho", afirma o superintendente do Procon-Ba e presidente da Associação Brasileira de Procons (Procons Brasil), Filipe Vieira. Ele explica que, no caso do arroz, a Associação encaminhou ofício ao Ministério da Economia recomendando medidas como a revisão da taxação para importação deste e de outros produtos e a revisão da política cambial, além de estar atuando junto a entidades representativas dos produtores e do setor supermercadista. "Temos buscado identificar a raiz do problema para atuar de forma mais assertiva, pois o trabalho dos Procons também é o de orientar. Neste sentido entendemos que aplicativos como o Preço da Hora Bahia são uma ótima alternativa e podem ajudar o consumidor a encontrar os preços mais em conta e, ao comprar onde é mais barato, vai forçar quem vende caro a baixar o seu preço".

 

O Procon-Ba já vinha recomendando o Preço da Hora Bahia desde o lançamento da ferramenta pelo Governo do Estado, em abril. Para o órgão, é importante não apenas utilizar o app, que constitui  um poderoso instrumento de economia nas mãos dos usuários, mas também solicitar sempre a nota fiscal, de forma a manter atualizado o sistema que pesquisa os preços a partir das informações armazenadas pela SefazBa.

 

“O consumidor deve pedir sempre a nota fiscal, tanto para ter a garantia do produto adquirido, como também para alimentar o sistema, que ele vai poder usar de novo, atualizado a cada nova compra. Quem utilizar o Preço da Hora Bahia certamente vai fazer uma boa compra”, avalia Filipe Vieira.

 

Ele ressalta que o aplicativo tem um caráter colaborativo muito importante: "A ferramenta utiliza a fonte de dados mais segura e confiável que existe que é a nota fiscal eletrônica”.  O aplicativo tem ainda o potencial de transformar-se numa ferramenta de apoio no dia-a-dia dos consumidores, em função da grande riqueza de informações que ele pode gerar, permitindo organizar a vida financeira e economizar nas compras e contratações.

 

“O Preço da Hora Bahia tem estimulado a concorrência entre as empresas, contribuindo para a redução de preços e para dar maior visibilidade ao pequeno comerciante, e constitui um avanço na relação com o consumidor, que passou a contar com a garantia de uma pesquisa consistente para adquirir o produto mais barato”, avalia o secretário da Fazenda do Estado, Manoel Vitório.

 

 

Funcionalidades

 

Perto de chegar aos 300 mil usuários, o Preço da Hora Bahia, além de permitir a pesquisa em um raio de até 30 quilômetros de onde se localiza o usuário, em qualquer município do estado,  traz uma série de outras funcionalidades, explica o diretor de Produção de Informações da Sefaz-Ba, Jadson Bitencourt. "O usuário pode ver na tela o dia e a hora de  realização da última venda da mercadoria, além de telefone e rota para se chegar ao estabelecimento onde ela está  disponível". 

 

O usuário dispõe ainda de canais específicos para pesquisas em farmácias e postos de gasolina, mapa com as três melhores ofertas na região pesquisada e a possibilidade de se preparar listas de compras com até 40 itens, obtendo os cinco melhores preços na cidade. O app também mostra o histórico do preço médio dos produtos, no estabelecimento e na Bahia.

 

 

 

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue