Notícia

No Brasil, 25 pessoas já morreram em decorrência do novo coronavírus

No Brasil, 25 pessoas já morreram em decorrência do novo coronavírus

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu consulta pública sobre suplementos alimentares. Os interessados tem até o dia 1º de maio para enviar contribuições sobre as listas de constituintes, de limites de uso, de alegações e de rotulagem complementar dos suplementos. O resultado da consulta vai alterar as regras atuais sobre o tema, previstas na Instrução Normativa 28/2018. De acordo com a agência reguladora, a finalidade dos suplementos alimentares, categoria de produtos criada em 2018, é fornecer nutrientes, substâncias bioativas, enzimas ou probióticos em complemento à alimentação. A Anvisa esclarece que os suplementos alimentares não são medicamentos e, por isso, não servem para tratar, prevenir ou curar doenças; são destinados a pessoas saudáveis.

A proposta da nova regulamentação e o formulário específico para envio das sugestões estão disponíveis na página da Anvisa. A consulta pública vai contemplar a inclusão de 28 novos constituintes. Desses, 12 são propostos como fontes de nutrientes, oito como fontes de substâncias bioativas, um como fonte de enzima e sete como fontes de probióticos. Outras alterações abrangem os limites para uso das novas substâncias, novas alegações para o colágeno tipo dois não desnaturado e para os probióticos autorizados, e requisitos de rotulagem complementar para os constituintes autorizados.

Mecanismo de participação social aberto aos interessados, a consulta pública permite que a população participe da discussão sobre futuros atos normativos ou temas de interesse social antes da tomada de decisões administrativas. Manifestações relevantes recebidas por escrito costumam ser levadas em consideração durante o debate em torno de temas que afetam o dia a dia dos cidadãos.

Atualmente, a Anvisa está com 17 consultas públicas abertas.

Informações da Agência Brasil

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Chuveiro na posição "inverno" consome 30% mais. Banhos mais curtos ajudam a economizar até 40%. Geladeira em má condição consome até 70% da conta do mês. Em casa ou no escritório, tire os aparelhos eletrônicos da tomada quando estão fora de uso, principalmente televisão, aparelhos de DVD/Blue-Ray e de som.