Notícia

Justiça estende prazo para que credores da Oi escolham forma de pagamento

Justiça estende prazo para que credores da Oi escolham forma de pagamento

A Oi informou ontem (27) que a Justiça estendeu até 8 de março o prazo para que os detentores de títulos de crédito da empresa, os chamados bondholders, informem a maneira como desejam ser pagos dentro do plano de recuperação judicial da empresa. Na decisão, o juízo da 7ª Vara Empresarial da Justiça Estadual do Rio de Janeiro considerou que poderia haver prejuízo para essa classe de credores.

“Tendo em vista a omissão dos trustees [instituições que gerenciam a administração do dinheiro dos credores] e o prejuízo dela advindo, determino, em prol dos credores bondholders que ficaram desamparados neste momento, a prorrogação do prazo para exercerem a opção da forma de pagamento”, disse despacho do juiz Ricardo Laffayete Campos, responsável pelo processo da Oi.

O prazo inicialmente acordado para que os credores determinassem a opção de recebimento de créditos venceu. São oferecidas duas opções aos credores, após o interessado ter o direito reconhecido pela Justiça: receber em dinheiro ou em ações.

Com dívidas de mais de R$ 64 bilhões e 55 mil credores, a Oi conseguiu aprovar, em dezembro do ano passado, o seu plano de recuperação judicial, considerado uma etapa essencial para evitar a falência ou a intervenção do governo federal na Oi.

O plano prevê, entre outros pontos, a conversão da dívida até o limite de 75% do capital da operadora, permitindo que a Oi seja efetivamente adquirida pelos credores. Também prevê um aporte de R$ 4 bilhões de recursos novos por credores e acionistas e a possibilidade de capitalização de R$ 2,5 bilhões adicionais via mercado de capitais para novos investimentos, até o início de 2019.

Guerra judicial

Mesmo assim, a empresa enfrenta disputa entre os acionistas e parte dos credores. Na última sexta-feira (23), o Ministério Público do Rio de Janeiro informou que pediu para o Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RJ) barrar a participação dos acionistas Pharol e Sociètè Modial no conselho de administração da Oi.

No pedido, datado de 13 de fevereiro, o promotor Gustavo Lunz apontou como motivo a assembleia geral extraordinária realizada no dia 7 de fevereiro e convocada pelos acionistas. Segundo o MP, a reunião teve por objetivo atrapalhar o processo de recuperação judicial.

No dia 8, a Justiça Estadual do Rio de Janeiro concedeu liminar suspendendo os efeitos das deliberações da assembleia de acionistas. Na decisão, o juiz Ricardo Laffayete Campos, da 7ª Vara Empresarial do Rio, acolheu pedido da Oi para decretar a ilegalidade da assembleia por desconsiderar a decisão judicial que homologou o plano de recuperação. “Eventual alteração do plano de recuperação não poderia ser realizado extrajudicialmente”, diz o juiz na decisão.

O MP quer que todos os participantes do evento sejam impedidos de integrar o conselho de administração da Oi ou indicar nomes para este ao longo dos próximos dois anos, período de vigência do plano de recuperação judicial. Em nota, a Pharol disse que “não há fundamento legal para suspensão dos direitos dos acionistas.”

Informações da Agência Brasil

 

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Chuveiro na posição "inverno" consome 30% mais. Banhos mais curtos ajudam a economizar até 40%. Geladeira em má condição consome até 70% da conta do mês. Em casa ou no escritório, tire os aparelhos eletrônicos da tomada quando estão fora de uso, principalmente televisão, aparelhos de DVD/Blue-Ray e de som.