Notícia

Número de pedidos de bloqueio de celulares chega a 128 mil em janeiro

Número de pedidos de bloqueio de celulares chega a 128 mil em janeiro

As operadoras brasileiras de telefonia móvel receberam, em janeiro desse ano, 128 mil novos pedidos de bloqueio de aparelhos celulares em suas redes. O número de pedidos é um pouco inferior ao registrado em janeiro de 2017, quando as operadoras receberam 131 mil pedidos de bloqueio. As informações constam do balanço divulgado pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), para quem os números seguem a média do período.

As informações sobre os pedidos de bloqueios constam do Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi), que mantém o registro de aparelhos perdidos, furtados ou roubados que estão bloqueados. De acordo com os dados, no acumulado de 2017 foram bloqueados, 9.259.697 aparelhos, um aumento de 1.604.875 em relação ao apurado em dezembro de 2016.

IMEIs

Para fazer a solicitação de bloqueio, o cliente deve entrar em contato com a sua operadora, informando dados pessoais como RG, CPF, endereço, etc. Se o cliente souber, também deve informar o IMEI do aparelho (sigla em inglês para International Mobile Equipment Identity, que em português significa Identificação Internacional de Equipamento Móvel).

Para descobrir o IMEI, basta digitar no teclado do aparelho *#06#  que aparecerá um número na tela. Para saber se um aparelho está registrado no cadastro de celulares bloqueados, as prestadoras mantêm um site na internet para consulta.

Segundo a Telebrasil, ao todo, 9,388 milhões de IMEIs estão registrados no cadastro. O número abrange os aparelhos impedidos por solicitação direta dos usuários às empresas de telefonia móvel e pelos registros de ocorrência das polícias dos estados e do Distrito Federal.

Os aparelhos bloqueados, segundo a Telebrasil, tem impedida a sua comunicação de voz e de pacotes de dados contratados junto às prestadoras móveis. O aparelho continua funcionando apenas com aplicativos que se conectam a outras redes, como Wi-Fi.

Informações da Agência Brasil

 

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Chuveiro na posição "inverno" consome 30% mais. Banhos mais curtos ajudam a economizar até 40%. Geladeira em má condição consome até 70% da conta do mês. Em casa ou no escritório, tire os aparelhos eletrônicos da tomada quando estão fora de uso, principalmente televisão, aparelhos de DVD/Blue-Ray e de som.